segunda-feira, 29 de maio de 2017





Não que eu te amasse tanto assim, pra começo de conversa.

Mas por motivos que não saberia de fato explicar, acontece de eu te amar um pouco mais toda vez que você perde o controle da tv imediatamente assim que o larga na cama.
Sinceramente, sabe-se lá como você (e só você) consegue perder tanto esse controle.

Então desliga essa tv e vem cá dormir que já é tarde.

terça-feira, 17 de janeiro de 2017





É a coisa mais amável isso de você lembrar das besteiras com que eu me machuco só para mantê-las longe do meu alcance (como se não bastasse a facilidade com que você lê na minha fuça quando algo me dói mesmo quando não posso me explicar).

Obrigada por cuidar de mim ainda que eu não esteja acostumada a deixar.
Fica à vontade pra mudar a mobília de lugar.

quarta-feira, 24 de agosto de 2016






Me avisaram aqui da data.

Eu lembro de, ano passado, dizer que queria te dar um abraço e lembro de você me respondendo que estava longe. Verifico aqui uns históricos porque a internet permite citar com precisão quase todo tipo de coisa que não deveria e encontro: "só de ouvir meio que me dói e eu nem tenho nada a ver". Sigo não tendo, por assim dizer. Lembro, no entanto, de fazer o caminho entre os pontos de ônibus ali na Lapa (aquele ao lado da trilha do trem) chorando meio convulsivamente ao som da mais triste do Death Cab for Cutie porque, de fato, me doía.
Isso nem adiantaria verificar: é da parte que eu nunca te disse.

No histórico aparece casualmente a menina que recebia seu tempo enquanto você seguia me pesando o coração. Um ano atrás eu me argumentava que não valia a pena ser maluca e que era melhor deixar que tudo continuasse bem - o que concordo até hoje, apesar da inegável relação com todo o choro contido do mês seguinte.

É complicado tentar pôr tudo em perspectiva.
Eu lembro de coisas demais.

De modo que, se me perguntam de datas, respondo prontamente que deve ser segunda-feira.
"Definitivamente, segunda. Pois me dói muito a cabeça".

quinta-feira, 18 de agosto de 2016




Seasick


There's a painting in my head of all the wreckage you could make of me - it's in vivid yellows and somber tones of blue.
And the longer I statically stare at it, the harder it gets to tell if I'm sinking or not.

Todo homem é uma ilha.
(e minha cabeça segue tão confusa quanto a américa central).